sexta-feira, 21 de julho de 2017

sobre o blog:

JÁ  ESTÁ RETIFICADO.
    

    JÁ PODEM CONSULTAR O MEU BLOG EM "NA COSTA DO SOL ".
          
                 XICORAÇÕES P'RA TODOS.



                                      JOSÉ  CLAREL

domingo, 19 de março de 2017

     TALVEZ UM PEQUENO FENÓMENO.  NÃO ENTENDO?!

                O MEU BLOGUE SERIA  - SEMPRE FOI  - "NA COSTA DO SOL - CASCAIS " E ALI SE ENCONTRARIA TODAS AS MENSAGENS QUE ME ENVIASSEM OU ASSUNTOS QUE EU ESCREVESSE. AGORA APARECE-ME UM " José Clarel-Gogle + "  CONFESSO QUE NÃO ENTENDO...
 ENTÃO ONDE  ESTÁ TUDO O QUE EU ESCREVI EM "NA COSTA DO SOL " *?

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

                                                      

                                                        SÓ QUERO UM POUCO DE TI
                                               
                                                         Sinto-me rei
                                                         no meu trono de ilusões           
                                                         dono do que é teu,
                                                         além de ti.

                                                        Dono sem dona,
                                                        sem Senhora,
                                                        Mas...senhora dos meus sonhos,
                                                        e dos meus desejos vãos!
                                                        porque és assim,
                                                      - para mim, vida?
                                                       porque não trazes
                                                       os sorrisos de Sol ?
                                                       Com que embriagas os mortais?
                                                       Com que enlouqueces a própria loucura?
                                                       Com que deslumbras as  sombras do dia?
                                                       Estrelas sem Luz,
                                                      prendo-as em minhas mãos,
                                                      deixo-as cair...

                                                      Sem lumes, 
                                                                    sem fadigas !
                                                     Jardins sem flores,
                                                     como se tudo fosse
                                                                   um desfolhar de rosas,
                                                                            sem pétalas...

                                                   Flores ?!
                                                   Onde estão elas ?
                                                   Sempre, sempre ausentes.
                                                   Oh! Vida !
                                                   mata-me a vida
                                                   e vem morrer a meu lado :
                                                  mas...
                                                  Deixa-me ter um amanhã.
                                                  Um amanhã ?
                                                  Eu nunca tive presente.
                                                  Eu nunca tive passado !




                                                                                                 J.Clarel
                                                                                                 Natal de 2016
                                                                       

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

                                            AGORA,
                                                    NA QUADRA DO AMOR...
                                                   
Desabafos
antigos

   
     Debruçado numa das janelas, de grandes vidros, dum enorme e inóspito corredor  que mais faz lembrar os antigos claustros daqueles austeros conventos para onde se ia com o coração repleto de devoção e em busca de sofrimento, tento adivinhar a paisagem escondida pela frondosa ramaria das verdes e altaneiras árvores deste jardim secular, entretenho-me divertidamente a observar a guerreia entre os azougados pardalitos com os seus ancestrais inimigos urbanos  -  os arrogantes e poderosos pombos  -  a ver qual deles consegue o maior naco de pão daqueles pedaços que eu me vou entretendo a lançar cá de cima. Lei natural da vida ;  come-se para não ser comido. Os maiores tentam roubar o naco aos mais fracos :  - primeiro eu, depois---se sobrar...
  Deus assim fez o Mundo, e sempre assim será até à consumação dos séculos. Mas graças a  esse mesmo Deus há exceções lindas de registar.
   Temos lido relatos espantosamente comoventes sobre atitudes descobertas em certos cãezinhos que abandonados pelos donos ou porque estes repentinamente deixaram o nosso  Mundo mercê de morte súbita. Ou porque o coração  empedernido duns outros, não sentiram pena ou remorsos. teimaram em não abandonar o local onde os deixaram morrendo de fome e frio, se  a tanto forem obrigados, como que a quererem deixarem ficar a afirmação duma inabalável dedicação a quem já foi o seu companheiro de todos os momentos e como tal, certamente...vai voltar breve em sua busca.
   Mais comovente ainda aqueles extraordinário caso do cãozinho que foi mais longe na sua dedicação ao dono  : - após a morte deste, acompanhou à distância o seu funeral  e, tranquila e discretamente, foi-se deitar sobre a sua sepultura acabando também por morrer da tal fome e  do impiedoso frio.
    Provavelmente muitos outros mais exemplos ocorrem por muitos sítios que não chegam ao nosso  conhecimento.                                                                                                                      sã
   É Natal, a chamada quadra do amor porque pelo seu significado  as pessoas chamados a reflectir e a dar um pouco de si ao seu semelhante. Pelo menos era o que devia acontecer sempre e espontaneamente...  só que, infelizmente,  é também uma quadra de mentiras e hipocrisia em que a maioria dobra a servis para  - desejar boas festas a V.Exa.  e família -  oferecer uma prendasita, muitas vezes sem qualquer préstimo, apenas para ficar bem visto.    Trocam-se beijos e carícias e no resto do ano vivem como se fossem estranhos entre-si.
   Ofereceu-se um pacote de arroz ou açúcar à  organização, julgando assim ter-se conquistado  um lugar no céu e durante o resto do ano vira-se a cara para não encarar a miséria que por todo o lado grassa.
   E afinal pouco seria preciso para que a humanidade sentisse mais o seu semelhante e lhe fosse mais dedicado
   Bastava seguir  o exemplo  do humilde cãozinho...
 

sábado, 3 de dezembro de 2016

                                            OS LARES DA TERCEIRA IDADE,
                                                   E OS OLHOS CEGOS DA JUSTIÇA...

Desabafos
antigos.

                  Não duvido que isso de justiça é só para constar  nos dicionários porque, de resto...
  Aliás, até pelo seu símbolo   -  uma balança com dois pratos  ( sendo que um deles está muito mais baixo que o seu par ) se verifica que há sempre dois pesos e duas medidas...
  Que o  sr. fulano, o sr. sicrano ou o sr.beltrano  se abotoem com milhões é uma circunstância a que já nos vamos habituando,  ( uma praga made in  pós 25 de Abril )  e que quase  se pode dizer ser o pão nosso de cada dia. Que a pseudo justiça deste depauperado país tarde anos em levá-los ao tribunal , é um facto adquirido. E... enquanto o pau vai e vem, essa canalha vai fazendo anos até que um dia morrem e inteligentemente os herdeiros ficam senhores de fortunas fabulosas, enquanto os verdadeiros burlões/gatunos,   como já não estão cá...
   Pois, nada a fazer. Só há uma coisa que me faz um confusão dos diabos, é isto :Onde foram parar os milhões que roubaram  ?! Que raio de diligências que efectuaram que não conseguem localizar o "cacau" ?  Particularmente  não acredito que os responsáveis não sejam competentes ! Ná...Pois se passados alguns dias, por uma simples multa de 50 euros  porque não se pagou o parqueamento ou coisa do género, vem logo um agente da autoridade ( convenientemente armado ) com pompa e circunstância , bater-nos à porta por vezes até com mandado de captura!...  Ná ! Aí anda  outra música com que nos querem fazer dançar!  Se de facto houvesse a tal justiça, não acontecia tanta pulhice, tanta vigarice,   a modos que a passar impunemente aos olhos de quem os devia ter bem abertos.
  Olhem por exemplo o que se passa com os "lares da 3ª idade " que por aí proliferam clandestinamente  sem que ninguém ( os ditos responsáveis ) não lhes ponha cobro mas DE FORMA BASTANTE DURA. É bem verdade que , por vezes, delegados da Segurança Social lhes aparecem de surpresa e lhes encerram as portas. Mas as respectivas proprietárias, com a maior desfaçatez viram as costas e mais adiante abrem outros pardieiros do género sacando o  mais que podem aos pobres idosos  -  muitas vezes mal  tratados até fisicamente  - que por ali vegetam, na maioria abandonados pelos próprios familiares que no entanto  não se fizeram esquisitos em gozarem os espólio que eles cá deixam. E não julguem  que não sei o que estou a dizer!, já por isso passei quando os meus sogros acabaram os seus dias  num lar de idosos. Tiveram ainda assim alguma sorte pois a instituição que os acolheu, pertença da Misericórdia de Faro, é  daquelas que oferecem o máximo de condições desejáveis. Ali passaram os últimos dias da sua vida até ao seu falecimento.   E contudo até que podiam ter passado esses dias no conforto do se lar  (  porque o tinham ) merecendo os cuidados das suas filhas saudáveis e capazes. Mas como eram pobres... No entanto, abandonando o próprio lar e o marido, uma delas  fez questão de estar permanentemente junto de uma tia com o argumento  "para ela não ficar sozinha " o que não corresponde à verdade já que essa tia, perfeitamente válida, possuía uma empregada, noite e dia , a quem pagava generosamente.  Pois... mas essa tia é dona de uma razoável fortuna. Percebe-se...
  A  minha falecida mãe   ( Deus a guarde ) foi vítima de um AVC, e após várias visitas a Alcoitão, o resultado foi negativo. Ficou parcialmente  impossibilitada  perdendo, inclusive, o dom da fala o que é o pior que pode acontecer a quem sofre aquela fatalidade.  Insistiu que queria ir para um lar.  À volta da nossa residência no Estoril e até Lisboa procurei em tudo quanto era sítio, e o que fui vendo ,e do que fui testemunha, só me causava repulsa.  Assim, e contra sua vontade, decidi traze-la para minha casa de Faro para o conforto e ternura  da família até que Deus a chamou.
  Até então nunca tinha conhecido o quanto sofre um idoso que não tem família ou que a tendo é como se não tivesse.
  Um dia tive a sorte de conhecer esse extraordinário Senhor que foi o Rev.Padre Dr.Júlio Tropa Mendes, que infelizmente já nos deixou para sempre. Acompanhei um pouco a sua obra, principalmente o Lar de Idosos de Santa Bárbara de Nexe bem como  o Infantário De Estoi, e tive oportunidade de observar o que é a verdadeira cruzada de  tratar um idoso com o maior carinho e amor e, falando com alguns deles, ouvi-lhes  em palavras comovidas o quanto estavam gratos pela forma como ali eram tratados. Só assim se compreende que muitos tivessem atingido a proveta idade dos noventa e tal anos. E todos tratados do mesmo modo, fossem pobres ou de posses um pouco melhores.
  Eu pergunto :- porque não se exerce uma maior  e mais rigorosa fiscalização sobre esses "túmulos"  onde  agonizam tantos seres humanos  que um dia tão úteis e tanto contribuíram para esta ingrata sociedade que  sem qualquer piedade os vota ao ostracismo ? Porque não se exige a mais elementar preparação para cuidar da velhice ? - Porquê se fecha os olhos com indiferença aos nossos idosos ?
  Julgam os nossos responsáveis que a reforma  ( muitas vezes miserável )  é a solução ? Pois tomem em consideração : " A reforma não passa de "A Morte Subsidiada"...
  Pois há quem  - em nome da misericórdia - leve uma vida de grandes senhores.
  Vocês sabem a quem me refiro...

José Clarel

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Desabafos
antigos
                                             COMPARATIVAMENTE...         
                                                           EMBORA COM FRIO .

  O frio cai impiedoso sobre os corpos enregelados, cobertos ou enrolados em simples folhas de cartão que arrancaram sofregamente das caixas abandonadas nos contentores do lixo para poderem mitigar, de algum modo, os efeitos da noite gélida que se aproxima. São os tais ( os que agora se chamam  " sem abrigo " ), uma forma bastante cómoda de arredar das mentes ricas de  conforto e bem saciadas dos que  -  apesar de tudo - valha-nos Deus ! sentem que não lhes pertencem directamente tais problemas  " pois se até já contribuíram com a gorda esmola  de ...5 euros... !  para ajuda da Associação dos, etç, etç,.
   Os especialistas prevêem temperaturas, nos próximos dias a baixar significativamente. As entidades responsáveis afirmam estar a tomar as medidas  convenientes para ajudar os tais " sem abrigo ", medidas que se compreendem por : - resguardo em pavilhões ou abarracamentos e ao fornecimento de uma sopinha bem quente...
   Haja Deus !
   Recordo a minha meninice em que lá pelas minhas bandas era costume, todos os anos na quadra da Páscoa, procederem à matança de um bovino para a confecção de um bem adubado guisado e a respectiva sopa da ordem.  Chamava-se então a isso  " o bodo dos pobres ".
   Vivo o acontecimento como se fosse hoje... e eu não era dos pobres. Mas era tão gostoso!
Passaram dezenas de anos em que eu sempre sonhei ver isso a findar porque  deixaria de haver pobres, os tais pobres que sonhavam com o bodo.
   Recentemente tinha acabado a guerra, essa guerra impiedosa que tinha ceifado milhões de vidas e deixado muitos mais na completa miséria, miséria que se dizia ser o resultado da guerra. Valera o sacrificio, afirmava-se. O futuro viria a ser risonho e promissor, exactamente o mesmo que se prometia no tal 25 de Abril.  Afinal passaram dezenas de anos e o mundo agoniza de sofrimento e desespero  . Nós por cá, idem, idem. Então havia os bodos, havia pobres, mas nunca se viu alguém a dormir na rua, ao relento.
   A minha aldeia, quase toda ela constituída por gente do mar ( a classe mais pobre da sociedade, a de pé descalço ) vivia apenas e muitas vezes  com a tal sardinha para dois ou três, mas todos tinham um telhado onde se abrigar.
   A tal guerra fora de facto uma guerra terrível. Mas possivelmente graças a Deus ...passou muito lá ao longe, muito distante de nós. Talvez graças a...
      Mas nunca ouvimos falar em " sem abrigo ".
   A constatação desse facto hoje faz com que temamos que o gélido frio que nos envolve, ao olhar à nossa volta, sintamos que as lágrimas se nos  congelem de desgosto ao rolarem face abaixo.
     Afinal..

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Desabafos
antigos

                                                             O TRÂNSITO E O
                                                         NEGATIVISMO DA LINDA CIDADE
                                                          

...da linda cidade de Faro que já foi um dos belos espelhos do nosso Algarve.
  Agora? Bem agora são apontamentos negativos que saltam de rua em rua. Vamos referir alguns:
      Comecemos pela própria entrada  - ali para os lados do Jumbo  - onde a estrada está de tal modo que parece andarmos em tractores, a saltitar por tudo quanto é sítio. Aliás, assunto que já foi várias vezes motivo de reclamações, até na Imprensa foi falado. Na cidade há ruas onde os pavimentos estão cada vez mais degradados com calçadas onde o empedrado está todo solto, um risco a provocar quedas, sobretudo para os mais idosos, especialmente à volta das tampas dos esgotos que, quando são da EDP  ou telefones, a incúria é-lhes atribuída.Menos mal que a Edilidade  ( ou quem seja ) teve a feliz ideia  ( perderam a cabeça...) de tornar os locais de espera dos minibus um pouco mais decentes, até com bancos indestrutíveis  o que revela bom gosto e sentido de saber sobre como devem ser criados certos confortos para os munícipes. Também, não é de admirar já que a rede de minibus deixa uma pipa de massa.  Porém  - e isso é o mais importante  - há que tomar em conta as passagens pedonais algumas em permanente convite ao atropelamento inevitável. Quem são os responsáveis por esse sector ? Não venham para cá com a desculpa de ignorarem tais problemas  pois eles estão bem à vista, para além de já terem sido levados  -  em tom de alerta  -ao conhecimento desses ditos i-responsáveis.
  No tocante a passagens de peões vejamos uma que é de arrepiar:
  - Na Rua do Alportel, no ponto em que nesta via se obriga a voltar à direita à entrada da Rua Dr. Rodrigues d'Avim, há uma passadeira de peões desenhada na diagonal (?) desde a esquina de cima para um ponto mais abaixo desta artéria, o que leva o condutor que entra a só se aperceber do peão quando já está em cima deste... Pois ! Dirão os ditos : «mas antes encontra-se um aviso de aproximação de passadeira »!  Mas estão a brincar connosco, ou quê ? Pois se todos os anos há centenas de atropelamentos e outros tantos mortos em cima dessas passadeiras, mesmo  com semáforos !   Para nós a solução, embora mínima,  é segurar, quando possível,  esses  "ases do volante sobretudo no caso referido, com as inevitáveis e bem simpáticas  "lombinhas".É afastar a singular passadeira  da posição diagonal e desenhá-la nos pontos perpendiculares da via.  E já agora, falando nessa malfadada curva seria bom prevenir os motoristas dos minibus para não entrarem ali como pista de corridas.   Estamos em cima dessa passagem e, pelo que temos observado, a todo o momento esperamos uma desgraça.
  Há quem se preocupe em criar nas povoações locais de lazer, quer zonas ajardinadas ou recantos propícios para tal.  (Ali estamos em Faro, não esquecer ) entre as ruas João de Deus e Garrett existe uma passadeira na diagonal que em tempos se chamou Rua do Norte - actualmente está vedada ao trânsito  - onde um artista responsável criou um pequeno recanto de encanto.Pavimentou o solo com certo requinte, colocou os habituais bancos de lazer, uns quantos pontos de presença vegetal para que ali o cidadão pudesse passar uns momentos repousantes longe do malfadado monóxido de carbono. Pois sim ! Aquele lindíssimo pedacinho está absolutamente invadido pelo domínio do " rei automóvel ". Nem aquele elegante e bem conseguida vivenda de canto escapou à invasão. É um bem conquistado  e permitido parque de estacionamento e, ainda por cima gratuito, em irónico desafio aos incompreensíveis locais onde a caixinha é rainha. Olhem, por exemplo, junto aos Correios onde uma pessoa vai com desejos de fugir o  mais rapidamente possível, não vá aparecer o tal fiscal, e nem é para estacionar, note-se...
  Aproximam-se as eleições autárquicas,  veremos...
   Até lá contente-se em ir passear na Rua de Stº António. Ali nem chove nem faz sol.