terça-feira, 18 de outubro de 2016

Desabafos
antigos.
 
                                      VELHOS SEM ABRIGO, MISÉRIA, SUMPTUOSIDADE
                                                         E OUTRAS CONSIDERAÇÕES 
 
 
 
 Porque será que quando se chega a velho  - se não for rico  -  tem de se viver praticamente da caridade pública ?
  É facto que sempre foi assim desde que o mundo é mundo, desde que o ser humano aprendeu a explorar o seu semelhante calcando-o impiedosamente para tingir os seus fins. Bolas, mas isso foi no tempo  " das monarquias em que os grandes senhores viviam na sumptuosidade enquanto o povo morria na mais ignominiosa  miséria. ". Pois ! Mas então esse povo não se insurgiu e não cortou cabeças a reis e rainhas para que se implantasse o tal socialiosmo , quer dizer, o tal sistema daqueles que queriam transformar a sociedade pela incorporação dos meios de produção da comunidade pelo regresso dos bens e propriedades particulares à colectividade, e pela repartição entre todos do trabalho comum e dos objetctos de consumo ? ( É mais ou menos assim, não é ? Se é dá vontade de dizer ao sr. Karl  Marx   - como hoje se usa dizer   - «só contaram p'ra você ? ». Então se a União Soviética se considerou a nação que impunha a todo o mundo  - como exemplo - essa doutrina, e foi a primeira a ceder a tal utopia e a desmembrar-se por completo !... Pudera...Afinal estavam  ( e estão ) escondidas as maiores fortunas do mundo !  Assim que tiraram a "máscara"...  Até deu para comprar os mais importantes clubes a custo de milhões e milhões.Depois a América é que era o país do capitalismo...
  A esperança, diz-se, é a última coisa a morrer, daí que...
  Tudo leva a crer  - segundo as promessas de determinado filósofo  - daqui para a frente vai ser tudo uma maravilha. Vão acabar os despedimentos em massa ; a inflação vai baixar ; o barril do petróleo baixou substancialmente  (  coitado do Zé Eduardo dos Santos que agora só tem, para se orientar, os pacatos diamantes  ) e naturalmente o combustível dos abastecedores, lógicamente,vai baixar também, na mesma proporção, assim como o pãozinho, etç, etç,.  Os grandes cérebros, ao invés do que para aí se propala e dentro do tal princípio contemplado no socialismo, estão profundamente preocupados com a gritante miséria que nos rodeia, dos nossos velhinhos e afins que dormem e morrem ao relento tendo como enxerga alguns cartões de papelão que catam nos contentores do lixo onde simultaneamente até aproveitam restos de comida provenientes dos grandes repastos  daqueles que nem sabem  -  nem querem saber  - que cá  fora se morre de fome...
  Mas é sobretudo nos já velhotes, para quem a vida foi madrasta ao longo dos anos, e não tiveram engenho ou esperteza para se imporem na selva  que os rodeou, para os quais se debruça a nossa maior preocupação.  Quem é que quer saber dos seus problemas ? Onde é que estão os tais arautos do socialismo que prometeram muitos e fundos a um povo que se acostumou a viver, embora com o pouco que tinha, em tranquilidade e em segurança fora dos utópicos sonhos de que isto  - daqui para diante  - ia ser tudo uma maravilha ?
  Sou também um velho, e  é por isso que esses dramas me tocam profundamente. Tenho família, mas podia não ter. Disponho de uma pequena reforma, mas podia não ter, e talvez por isso julgo ter assegurado o alimento e as fraldas no ocaso da minha vida, embora  -  isso é fatal  -  para vir a morrer nessas condições de caridade tenha de pagar tudo o que recebo,  incluindo os tais subsídios de férias e de Natal. Felizmente que não fumo, senão!... nem um tostão me sobrava para por na caixinha das esmolas a Nª.Senhora. Sim porque isso de caridade nessas instituições,é conversa...
  Mas o que nos estranha  - daí o nosso grito de revolta  -  é não haver uma preocupação e, consequentemente, uma organização estatal que se debruce sobre os problemas relacionados com a terceira idade criando lares de acolhimento e afins sem que se tenha de depender de instituições particulares :lares para a terceira idade, que bom...ou das misericórdias, que também não funcionam de borla e que de misericódia não têm nada, antes pelo contrário, algumas conheço eu ( por exemplo, esta de Faro ) que não passam  de autênticas minas de exploração, um grande negócio...diga-se.
  O Estado não dispõe de verbas, é isso ?  Então os Estádios, os TGV, as super e desnecessárias pontes, as multiplas reformas dos caciques  que a política protege etç, etç,? Será que não são muito superiores às que se poderiam aplicar em instalações de apoio à 3ªidade, isto é, aqueles que levaram toda uma vida a trabalhar em prol da comunidade, aqueles que votam em vocês, senhores políticos ?
  Tenho pena que o mesmo se passe noutros países, mas perdoem-me se é egoísmo, mas estou naturalmente preocupado com os nossos. Se o socialismo fosse mesmo socialismo, conforme por aí apregoam, não se teria de assistir ao espectáculo triste e degradante de ver seres humanos a dormirem ao relento, com temperaturas negativas e sem um sopro de carinho e ternura.
~ Menos mal  para eles, pobres que sempre "uma vez por ano" vai acontecendo a quadra do Natal.Então... armam-se tendas e servem-se  umas sopas quentinhas, mas mesmo isso  à custa da caridade de alguns.
  Sabem como se diz no Algarve: "Moce, tenham vergonha nessas fuças.Deixem de explorar o pobre do Zé que em vós já não acredita, nem um pouco".
 

Sem comentários:

Enviar um comentário