quinta-feira, 9 de junho de 2016

DESABAFOS A COLHER DE PAU É verdade meus amigos, hoje vamos utilizar a colher de pau, mas a nossa, a portuguesa, a jenuína como aquelas que ainda se fazem lá para os lados de Arganil que, para os que não sabem, está situada numa linda região da Beira-Baixa e que você pode encontrar tomando a estrada que liga Coimbra à Guarda, mas onde também vai dar, se preferir, de Pombal a Gois. De facto a colher de pau é uma instituição nacional que tem imensas aplicações co- meçando, naturalmente, no laboratório culinário e acabando nas costas dos maridos que não se portem bem . Diz-se até que - e quem o afirma são os especialistas, que a colher de pau até confere um certo gostinho à comida, muito mais ainda quando, ao ficar mergulhada acidentalmente no tacho que refoga, queima ligeiramente as bordas. Falando com um mestre cozinheiro -ele foi perenptório em afirmar que no seu trem de ferramentas especiais, são as facas - uma para cada trabalho, - e as colheres de pau. também uma para cada fim, e acrescentou : - " Quando se mexe o fundo ao tacho com a colher de pau há como que uma estranha sensação, diferente ao "toque" , para além de que o simpático instrumento não fere, riscando a louça que se utiliza,mesmo.e principalmente aquela que é feita do tal material especial - anti-aderente, ou algo assim que evita que a comida se pegue. A colher de pau pode ter vários feitios e vários tamanhos havendo-as quase planas e a partir de 10 cm até metro e meio, que são as autênticas de concha cavada, e que com essas dimensões permitem ir mexendo o preparado nos grandes caldeirões sem queimar as mãos pois, como se sabe, a madeira é má condutora do calor ao contrário dos uten- sílios de metal. A colher de pau foi de grande ajuda para os mareantes do antigamente que, quando naufragavam, se serviam delas como remos em cima de qualquer tábua flutuante. EM CONTINUAÇÃO COM A COLHER DE PAU:- DIZÍAMOS : Com vários buracos habilmente abertos na sua concha, a colherinha é usada para catar azeitonas do pote e até funciona como espumadeira. Estudante que se preze não dispensa na sua "queima das fitas " a tradicional colher de pau como símbolo secular cuja razão de ser está fora do nosso conhecimento. Como adorno, como complemento decorativo ou como cabide para os panos da louça e pegas, a colher de pau também é presença constante nos lares portugueses não só. A colher de pau acabou por destronar o famoso rolo da massa nas investidas vingati- vas das esposas ultrajadas,quando usavam o tenebroso rolo, na contingência de ficarem viúvas o que não lhes convinha nada porque, apesar de tudo, o seu homem é sempre o seu homem...Assim , e à cautela, arvorou a simpática colher como a sua arma de combate matrimonial. É que, colher de pau que se preze, que tenha "honra" e "dignidade", sabe que ao cair sobre os ombros ou no toutiço quebra-se de imediato deixando deixando a agressora desarmada, isto numa tácita aliança com o pobre homem , afinal o que lhe deu o "ser". Mil e uma utilidades tem, de facto, a colher de pau, mas na realidade é no"trabalho de tacho" que ela mais se destaca e se evidência. Por isso há até quem diga que famoso utensílio vai ser proposto a ex-libris do Governo, Assembleia da República autarquias, ministérios, etç, etç,. Lugares onde abundam milhares de "tachos" que necessitam urgentemente de ser "raspados" ou " mexidos". São realmente "tachos " tão grandes que ( como já se exemplificou ), só com uma boa colher de pau se lhes pode chegar ao fundo.Se é que têm fundo... Ou então dar-lhes a tal utilidade doméstico-matrimonial nos tais tachistas... O País atravessa uma crise terrível. O desemprego, a fome e a miséria são por demais circunstâncias gritantes, mas os tachos continuam e até aumentam. De facto só com uma colher de pau ! Acho até que deveria ser instituído - " o dia nacional da colher de pau ",porque... Bom. Isto é apenas um desabafo.

quarta-feira, 8 de junho de 2016

A PETINGA E O TUBARÃO (continuação ) Contribuição em atraso : pumba - lá se vai o frigorífico ou o televisor.-Carro mal estacionado : pimba - lá vem a ripada no papel verde para além de ter de pagar o reboque do carro azul ( grande negócio...) ! Necessidade de umas massitas para comprar as duas assoalhadas através do banco - não há nada para ninguém. Trabalhas uma vida inteira e chegas a velho com a saúde arruinada - dão-te uma reforma de trampa que nem chega para comer. Pobre petinga !!! Ao invés o danado do tubarão, que não paga sisas, burla o fisco nos IVAS etç,utiliza falcatruas a torto e a direito, leva uma vida de lorde e sempre que o incomodam abocanha as petinguinhas. E quando se sente fatigado dessas deambulações pelo mundo do "posso e quero" recolhe-se às profundezas do oceano duma bela herdade lá para o Alentejo ou uma magnífica vivenda no Algarve, do qual ele até diz mal..., sem se preocupar porque o dia de amanhã está garantido com as chorudas reformas conseguidas através da politiquice. - Não, que eles todos ir para lá por serem beneméritos da sociedade ! " Só contaram p'ra você ! Por isso é que não gostavam do " outro "... É que com Ele todos tinham de dar o "litro " . Raio dos tubarões !!!

terça-feira, 7 de junho de 2016

A PETINGA E O TUBARÃO Chama-se petinga a uma sardinha que não chegou a crescer porque a isso não permitiu a voracidade do homem. Tal como os "jaquinzinhos", são óticas fritinhas e comem~se inteirinhas. A sardinha, como todos sabem é um peixe actino pterígeo da espécie dos clupeiformes que tem por tipo o arenque e que abunda nas águas portuguesas de norte a sul, sendo mais gostosas as do norte por mais gordas. Este peixe clupeida ( nada de confusões... )foi durante anos a fio o sustento dos portugueses pobres ( agora nem os ricos lhe chegam. A doze paus o quilo ? Chiça ), que facilitava, desde o pescador aos conserveiros, sendo as conservas portuguesas as melhores do Mundo e que pouco apouco foram desaparecendo do nosso país sendo uma tristeza ver tanta fábrica abandonada. Hoje o que há para aí são de origem espanhola ou marroquina das quais nem os gatos gostam. Sardinhas e cavalas lá as vamos comendo assadas, no princípio da época - quando estão secas p'ra burro - sobretudo quando foi provado que os nobres peixes não provocam o aumento do colesterol. A sardinha alimenta-se de plâncton de matéria vegetal quando pequenina ou de presas que caçam quando grandes. Aconselha-se a comer assadas no carvão, sobre o pão e à mão, como mandam os cânones, com uma boa salada à algarvia sem esquecer o pimento ( para quem gosta e a batata doce.. A petinga. manda a tradição como se disse, deve ser comida frita acompanhada com um arrozinho de tomate. A petinga é um peixinho humilde, consciente da sua simplicidade, e que não faz mal a ninguém, antes pelo contrário, quase sempre é abocanhada pelos espécimes de maior porte. O tubarão, mais conhecido por esqualo, é um peixe clasmobrânquio ou seláceo (quer dizer, que tem a pele cartalaginosa, dura que nem chavelhos, ) com mandíbulas que possuem numerosos dentes e que, tal como nós adoramos pernas de frango assado ou de rãs fritas ( não falando já nas outras...) e que se pela pelas pernas humanas havendo até quem lhe chame "alfaiate", - não entendo porquê ! Muito vorozes os tubarões chegam a atingir os 13 metros de comprimento e o peso de oito toneladas. São comuns no Atlântico Tropical sendo contudo frequentes visitantes dos Açores.É uma espécie de rei dos mares e que provoca o pânico quando aparece. O povo tem tanto receio que até os costuma a comparar com os políticos ou os endinheirados. ´E evidente que não foi minha intenção massacrar-vos com lições de zoologia mas piscícola, mas tão só para lembrar a considerável diferença que há entre a petinga e o tubarão, a todos os níveis. Assim, mal " acomparados", nós, o Zé Povinho, somos as petingas. Os outros, bem, os outros são os tubarões. Com a diferença que enquanto a petinga, propriamente dita. só é comida fritinha, a nós comem-nos de toda a ,maneira... ( Amanhã vem o resto )
PÁGINAS SOLTAS ______________________________ CIGARRO, MEU VELHO AMIGO ! Cigarro, meu velho e indesejável amigo … Recordas a primeira vez em que, abusivamente, penetraste traiçoeira e indesejavelmente nos meus pobres e ignorantes pulmões contra a qual nem as naturais defesas - brônquios e bronquíolos - conseguiram travar-te ? Lembras-te ? Lembras-te como e quando isso foi pela primeira vez ? Eu quase me desfiz em tosse e vómitos arrepiantes que me fizeram morrer de incontrolável nojo, lembras-te ? Lembras-te como te libertaste dessa vil tentativa de, gradualmente, não te insinuares na minha indefesa vontade, antes pelo contrário, e como conseguiste destruir todas as minhas pobres defesas, e a minha resistência ? Lembras-te como gradualmente também foste acumulando no meu sangue e rede pulmonar o nefasto poder da tua perversa intenção ? Lembras-te como, desse modo, , foste destruindo todas as possibilidades de recuar, de desistir dessa malvada senha criminosa ? Lembras-te como e desse modo, por causa da tua ação, que por três vezes ao longo da minha vida estiva às portas da morte de que só me livrei, e quase ressuscitei, graças à ajuda oportuna da tua figadal inimiga, a ciência ?, e porque, imagina só, já não fumava há 23 anos sem tentativas de recomeçar, melhor, resistir aos teus peçonhentos e traiçoeiros ataques ? Pois ! O que não sabes é qual foi sistemas que usei para, definitivamente, te enviar ao limbo… Mas vou-te contar para que não julgues que és intocável, e indestrutível ! E começou assim : Um dia, melhor, uma noite, sentado confortavelmente num sofá da minha sala a ver televisão, com o meu filho Nuno sentado noutro junto a mim, puxei dum irmão teu, tal como fazia desde tenros anos, e depois de o acender deliciei-me (?) com umas grandes baforadas de prazer, o pior foi que a folhas tantas, como já me acontecera noutras ocasiões, fui atacado por violento ataque de tosse que me levou a exclamar : - Diabos levem a esta porcaria ! O Nuno, lá do seu canto replicou : - Pois será uma grande porcaria mas o pai não larga isso de vez ! ( Devo, em abono da verdade, referir que o meu filho nunca foi adepto de qualquer vício, isto numa altura em que a juventude andava a sofrer o efeito de todo género de droga, mas ao qual a ele nunca ligou, graças a Deus… ) Ao seu comentário, feito com um pouco de ironia, respondi de imediato: “ Não deixo ? .é só eu querer “ , afirmei com bastante veemência. Ao que ele logo contrapôs . “ – Gostava de ver” … Respondi , “ à sim, queres apostar ? Logo ele disse,” quero apostar mesmo. E a que é que apostamos “, disse em ar de desafio. Não me intimidei e contra a sua espectativa atirei-lhe de chofre : “ Agora, já aqui, garanto sobre minha palavra, apago este cigarro e nunca mais fumo. E tu, em contrapartida, juras que não deixas de estudar música “! “ Tá feito, afirmou “. Eu - tal como tinha garantido – nunca mais, na minha vida , voltei a pôr um cigarro na boca, e ele, ao invés, seis meses depois desistiu do conservatório onde na altura estava bem classificado. Tinha uma habilidade nata para ler e tocar música, a tal ponto que um dia provoquei-o a tocar a marcha nupcial, aquando o casamento da tia, no enorme Órgão da Sé de Faro frente ao qual sentado, não chegava com os pés ao solo, merecendo até, os aplausos de Monsenhor Dr.Padre Henrique,que curiosamente, era um enorme músico e que foi o responsável pela exibição do Nuno pois foi ele, na qualidade de oficiante e Prior da Sé ter aquiescido a minha solicitação para que o meu filho ali atuasse. Foi, de facto, uma grande perda. Na nossa família desde o bisavô todos fora músicos e bons músicos, e o meu pai então foi o melhor que apareceu em Cascais,. Aida tenho em meu poder uma carta que o meu pai endereçou ao Nuno depois de ouvir uma gravação com uma grande sua atuação, que o levou a afirmar que o seu neto era na realidade bastante bom, o que não era de admirar pois tinha a quem sair … - e FOI ASSIM… Só que… Percebeste a moral da história ?, não ? eu logo vi ! Estúpido isto foi para te provar que, para te combater e eliminar-te de vez não são necessários medicamentos, rezas ou mézinhas, basta apenas uma coisa : FORÇA DE VONTADE ! Apenas isso ! É porque “ se querer é poder “, nada nem ninguém é superior à vontade do homem ! -Estás pior que danado, bem o sinto, mas não te amofines lembra-te do mal que tens feito à humanidade desde que surgiste do mundo das trevas, da morte, do infinito abismo… Andava louco da vida para te dizer isto mesmo : o quanto me enojas e repugnas, basta apenas o teu cheiro! Tens vindo a tornar essa humanidade tua subserviente escrava, e tu, pouco a pouco, com a ajuda desse outro monstro que dá pelo nome amaldiçoado de CANCRO,. vens vindo sorrateira e traiçoeiramente - como é teu timbre - destruindo-nos sem qualquer sombra de piedade. Entre muitos milhões, levaste o meu pai que ainda tinha alguns anos para viver ; levaste um grande amigo, um médico de irrefutável valor de quem a humanidade tinha muito a esperar e que, sabendo muito bem que estava a cavar a sua sepultura, não conseguiu, contudo, fugir à tua nefasta influência. E como ele muitos mais que eu conheci. Os hospitais oncológicos estão repletos de vítimas tuas. O sofrimento que tens vindo a espalhar por todo o mundo, é incalculável. À tua custa - também é bom referir – vivem milhares de burlões e vigaristas que, com a promessa de que os produtos que apresentam eliminam definitivamente o vício do tabaco. Mas não põem um cigarro na boca, é o pões ! Cigarro amigo ( amigo o caraças ! ) peço desculpa de ter-me livrado das tuas garras maléficas , de não ser MAIS UM para a tua conta, e por isso peço me desculpes também estar com os meus saudáveis 85 anos de vida e só lamentar o tempo que me fizeste perder poluindo os meus pobres pulmões. Mesmo assim quero-te dizer que te foste-te embora mas deixaste imbatível rasto da tua passagem perniciosa. Já lá vão 30 anos que te sepultei para sempre mas ficam sempre alguns desagradáveis resíduos, recordações da tua presença maldita. Mas, e à guisa de despedida, quero dizer-te uma coisa, que tu sabes muito bem e que te dana grandemente : - duas pneumonias no espaço de dois anos das quais me livrei, segundo as palavras da grande pneumologista Isabel Ruivo – a quem agradeço os seus grandes cuidados - que me tratou “A sua sorte é o facto de ter deixado de fumar já há alguns anos”! E afinal não foi muito difícil : Com a ajuda de Deus bastou apenas - uma grande força de vontade. Repito : O homem quando quer….. José Clarel Maio - 2016
ELEGIA À SARDINHA PROVÉRBIOS -Sardinha sem pão, é comer de ladrão… - Sardinheiro vende sardinha e come galinha… - A mulher e o peixe do mar, são difíceis de agarrar… - A mulher e a sardinha quer-se d a mais pequenina… - A mulher e a pescada, da mais grada… - Peixe e cochino, vida em água, morte em vinho… - Se queres aprender a orar, entra no mar… - Marido barca, mulher arca… - Barqueiro não paga a barqueiro… - A sardinha é como a tinha, em qualquer parte se aninha… - Sardinha no verão, pinga no pão… - A sardinha onde almoça não janta e onde janta não ceia… José Clarel Maio - 2016