sexta-feira, 12 de setembro de 2014



DESABAFOS




         O LADO NEGATIVO DAS POLÍCIAS

    Todos os dias é notícia, mais um caso da chamada  “brutalidade policial “…
O inocente cidadão, que apenas ocupava o tempo a furtar mais um carrito, quando surpreendido pela PSP , que lhe travou o negócio, sentiu-se revoltado pela descriminação e resistiu aos captores. Mal teve tempo de ripar do canivete das unhas  ( um pequenino utensílio  de 15 centímetros de lâmina ! ) e amandar uma naifada  a um agente da autoridade que, coitado, apenas estava a cumprir a sua missão e que, brutalmente e sem respeito pelos  direitos do pobre cidadão, deu-lhe com o cassetete na pinha onde foi suturado com dois pontos.
   Claro que o cidadão se queixou da brutalidade policial e abuso de autoridade  do que resultou o agente estar a ser alvo de inquérito  por parte do Ministério Público e, desnecessário se torna dizer: “ o cidadão foi libertado no dia seguinte “  - porque ainda há muitos carros por ai estacionados, ourivesarias para assaltar, velhotes indefesos para torturar, e esticões para aplicar, etç, etç, e o vendedor da droga não fia , como o Ti Zé do lugar da fruta. “
   Quanto ao agente, que levou a naifada, afinal, ainda por cima, foi castigado. Veja-se : foi cortado “ sem querer “ pelo cidadão que no momento limpava as unhas encostado ao carrinho que  tão oportunamente ali estava para seu cómodo…
   Depois de duas semanas de hospital, o agente voltou ao ativo, repreendido e ficando  esclarecido que não se deve perturbar os cidadãos quando pacatamente limpam as unhas.….
    Se um polícia ou guarda republicano  espatifarem um carro, por acidente  ( àa vezes numa perseguição  )em serviço estão metidos numa embrulhada e. muitas vezes, acabam por pagar as reparações com descontos periódicos no seu miserável vencimento.
   Do mesmo modo que – se tiver o azar de nesse acidente ficar aleijado, como não tem seguro… exactamente como um profissional de saúde quando vítima de acidente numa ambulância de serviços oficiais, porque as viaturas do Estado não têm seguros de passageiros, ao contrário do que é obrigatório para os cidadãos em geral.
   E  se o polícia for tão desastrado que se “ ponha mesmo no caminho de uma bala que lhe rouba a vida “ ?
    Sem problemas . A viúva e os filhos recebem das altas individualidades uns presentinhos, uma palavra de condolências e promessas de compensações que, embora lhes não devolvam o marido ou pai, talvez lhe permitam viver como anteriormente.  Mas ficam a viver de promessas e empréstimos ou duma subscrição feita pelos colegas.
  Apesar de todo este quadro envolvente, a polícia vai funcionando. Umas vezes bem e outras nem tanto   -  como  qualquer um de nós na sua profissão.
   A dedicação, o cumprir e o assumir o risco da própria vida não conta.
    Afinal quem protege a Polícia para que nos possa proteger ?
                                                                                                       

quinta-feira, 4 de setembro de 2014


NO  HORROROSO MUNDO DA DROGA


Nota prévia :
   Os capítulos desta modesta crónica  - tal como os entendedores disto de computadores percebem   -  surgem com a paginação de trás para a frente.Quer dizer: as páginas iniciais têm de ser procuradas mais para trás, o que se pode observar pela numeração das mesmas.
Obrigado.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014



( A um homem bom que pela vida foi enganado )

                                                                                                                               Por José Clarel

                               O  HORROROSO MUNDO DA DROGA
                                            
 INTRODUÇÃO


  O Mundo está em vias de extinção, é um facto.  O homem tudo faz  para que o apocalipse um dia revelado, em que o desaparecimento da Terra e do ser humano,se torne uma realidade medonha.  E todos os meios utilizados são de tal maneira evidentes que nem um cego deixa de os ver.  É, contudo,   maior cego o que de límpida visão se recusa a admitir porque, teimosamente, insiste em inventar os meios mais incríveis para se autodestruir.
   As medonhas guerras que tem assolado o Mundo desde que ele existe, fazem desaparecer milhões de seres humanos. O constante ataque inconsciente (?) às normas de proteção da esfera terrestre numa provocação insistente  aos seus limites e capacidade de suporte, tudo faz para não termos quaisquer dúvidas de que o FIM não está muito longe  e que não será ( de novo) que com uma simples “arca”  a humanidade se salvará.
   E mesmo nessa convicção o homem nada faz para atenuar a possibilidade de um fim catastrófico, antes pelo contrário, não percebendo que Deus já estará farto de que em Seu Nome, ou usando o Seu Nome, se venham cometendo  as maiores atrocidades e  cansado, acabe por permitir que a espécie humana encontre  a anunciada extinção           que procura incessantemente ao longo dos milénios.
   E um dos meios que o homem , para além das inconcebíveis guerras, tem utilizado nos últimos decénios para se autoflagelar, é a horrorosa utilização das drogas de alucinação que, supostamente usadas como tranquilizantes e escape para a depressão  que nos aflige, não passam mais do que um outro modo de se destruir cobardemente e, o pior de tudo , de destruir a própria família com o enorme sofrimento que lhes provoca.  E não haja dúvida, a definição é mesmo essa  -  cobardia , como cobardes e assassinos sem escrúpulos são todos aqueles que à custa dessa desgraça vivem na opulência e num fausto desmedido.
    Disso somos testemunhas e infelizmente de situações que diretamente nos têm tocado. Por esse motivo achamos que nunca é demais alertar a sociedade ainda consciente de como combater e prevenir esse flagelo, principalmente prevenir e não passar indiferente e egoisticamente a seu lado como se nada fosse, como se o problema não merecesse a sua atenção porque não lhes toca diretamente.  É que, quando menos um se apercebe, está irremediavelmente atolado num lamaçal sem saída.É nessa convicção que ao longo de alguns capítulos iremos tentar  “ viajar “ até esse horroroso mundo, que é o mundo da droga, que todos deveríamos combater impiedosamente para que o ser humano, embora caminhando “para o tal fim “ possa, no pouco tempo que ainda lhe resta, viver com alguma dignidade.
   Dedico estes humildes escritos a todos aqueles que lutam por esse flagelo e, principalmente, aqueles que desse mundo conseguiram libertar-se.
                                                    
                                                     - 1 -                                          
O HORROROSO MUNDO DA DROGA


O  HORROROSO MUNDO DA DROGA




Fim da parte segunda


e,  conforme prometido, repetição da   INTRODUÇÃO


Com um grande muito obrigado a quem disponibilizou o seu tempo para ler estas despretensiosas linhas na certeza de que muitos  ( talvez todos ) tenham adivinhado
que eu terei sido vítima desse horrível flagelo que vem destruindo a nossa juventude
mais querida e promissora em condições normais.

QUE DEUS NOS AJUDE.


  Mas estas estatísticas deixam de fora os estratos sociais mais elevados: em regra os filhos das grandes famílias que caem na dependência não recorrem aos CAT ( Centros de Atendimento a Toxicodependentes ). Vão antes a Inglaterra ou aos Estados Unidos onde pagam entre mil e 5 mil euros por semana em clínicas com piscina e court de ténis. Não é muito vulgar vê-los por aqui. Têm medo de ser reconhecidos, sentem-se melhor lá fora, diz Assunção Fernandes Cruz, diretora d’O Farol, um centro de recuperação entre Sintra e Colares que tem na lista de sócios fundadores as famílias Mello  e Espírito Santo.
   Há depois uma imensidão de consumidores recreativos, sem sintomas de estarem agarrados à droga e que, portanto não reportam a ninguém  a sua relação com a cocaína. “ Apesar de não haver dados que retratem essa realidade, a perceção que temos, pelo que os nossos técnicos vão descobrindo no terreno e nos meios onde movem, é que o consumo na classe alta é cada vez mais generalizado e mais intenso”, diz João Goulão, presidente do IDT.
   Concluímos então que : 
  -  A COCAINA ESTIMULA O CÉREBRO, TEM UM EFEITO DESINIBIDOR E AUMENTA A LÍBIDO.
   -   O CONSUMO NA ALTA SOCIEDADE É CADA VEZ MAIS GENERALIZADO E MAIS INTENSO.     
    -  OS MAIS RICOS CURAM-SE EM CLÍNICAS NO ESTRANGEIRO COM PISCINA E COURT DE TÉNIS.


                           -     FORMAS DE CONSUMO  -

SNIFADA  -  Quem não tem dinheiro diz que é um desperdício cheirar cocaína, porque       
                   a relação entre a quantidade de droga e o resultado obtido, é muito me-
                  nos rentável do que nas outras formas. Mas é assim que é consumida nas
                 classes altas.    Vende-se em pó nas discotecas, em pacotes de plástico, a        
                 que chamam “ quartas “ por terem um quarto de grama.  Demora 30  se-
                 gundos  a fazer efeito.

INJETADA – Como é administrada uma única vez,  diretamente  no sangue,  tem mais    
                   risco  de overdose  o que pode acontecer quando a cocaína é mais pura
                   do que se esperava. Provoca o  flash termo  usado  para  descrever uma
                   espécie de orgasmo.

FUMADA -  É o método mais perigoso e funciona como a cocaína dos pobres porque
                   menos quantidade  dá o mesmo resultado.  Toda a cocaína que se fuma
                     em Portugal na realidade é  crack e possui amoníacos com consequências
                     nefastas para o cérebro. O efeito é muito mais rápido e intenso ( atua ao               
                   fim de sete segundos ), provocando maior dependência psicológica.




                                                           - 16 -