quarta-feira, 10 de julho de 2013

- Digam-me : o que se chama a isto ?! Desabafos...nas férias. ALDRABICES, VIGARICES, PULHICES E, . OUTRAS COISAS MAIS ACABADAS EM ICES. .. Todos os anos, invariavelmente, por esta altura, vou de visita à minha “aldeia “ , p’ra vindima e matança do porco .Quer dizer: colher os cachos apetitosos e suco- lentos das minhas recordações, quando menino, e matar as saudades do então. . Porque a viagem é um pouco longa, e como dias não são dias - afinal ia de férias – mesmo contra vontade lá fiz das tripas coração e meti-me a disfrutar a nossa Via do Infante em parte do percurso, ou seja, só até ao desvio para a nacional.Como sabem, não sei se sabem, esta Via cobra portagem ( gatunos!) cujo pagamento só se efectua passados uns dias nos CTT. Quando vamos proceder ao referido pagamento verifica- mos até que ponto se rouba impunemente neste País.É que, para além da taxa,o que por tal sinal é das mais caras em Portugal, ainda temos de pagar uma suplementar , neste caso de 0.30 centimos, e ninguém explica o porquê. - Digam-me : o que se chama a isto ?! . Sou duma terra onde também há praias, bastantes, e consideradas das mais lindas de Portugal dada sua extraordinária envolvência luxuriante e múltiplas reentrâncias na costa como de baías naturais. Fui a uma delas “molhar os pés “e como era dia de marés vivas -como por lá dizemos quando o mar cresce até muito acima do habitual, sobretudo nas praias com pouco declive o que pode ser algo perigoso já que uma va- ga rodada, no regresso ao mar pode arrastar os mais distraídos.Entrei em considera- ções com o nadador-salvador acerca disso que muito honestamente concordou em absoluto comigo. Falámos um pouco sobre outros assuntos e fiquei a saber - PAS- MEM !- que aqueles valente e denodados rapazes, que muitas vezes arriscam a vida (não é o primeiro que lá fica ...) para salvar a de outros que por vezes nem lhes dizem obrigado, recebem de vencimento uma ninharia pelo seu trabalho.Soldo que nem dá muitas vezes para pagar uma refeição.É incrível e... vergonhoso. Mas o mais estra-nho é terem de ser os concessionários das praias a pagarem-lhes esses miseráveis vencimentos, isso apesar de serem onerados com farta contribuição para explora- rem um negócio pouco rendoso e sempre sujeito a desagradáveis imprevistos, como seja os maus tempos que por vezes, inesperadamente, lhes cai sobre a praia. É in- compreensível, bastante mesmo, que não seja o Estado a pagar os vencimentos a es- ses esforçados salvadores da vida alheia.Afinal trata-se de uma actividade em prol da Sociedade, de seres humanos. Noutros países, e com conhecimento de causa, fa- lo de Espanha, França, Itália,etç. Todos esses espaços públicos estão vigiados e apoia- dos por vigilantes pagos pelas autoridades públicas. . É como os Bombeiros, uma vergonha! Mas há dinheiro ,muito dinheiro para outras coisas que não do interesse público. Pulhice autêntica de quem explora... - Nessa minha “aldeia” – considerada no País a 4ª de maior área , população e poder económico, também por lá existe esse pesadelo que se chama ‘estacionamento pago Só que com uma certa diferença que acho de realçar : há muito mais civilidade e simpatia para com o utente prevaricador. Não sei se têm conhecimento que os fiscais são portadores de uma espécie de computador onde consta a matrícula de quem já infrigiu e se não pagou a multa. Num caso de infração sem cadastro o fiscal não multa de imediato, apenas deixa na viatura esta simpática missiva : “ Caro utente, face à entrada eDesabafos...nas férias. ALDRABICES, VIGARICES, PULHICES E, . OUTRAS COISAS MAIS ACABADAS EM ICES. .. Todos os anos, invariavelmente, por esta altura, vou de visita à minha “aldeia “ , p’ra vindima e matança do porco .Quer dizer: colher os cachos apetitosos e suco- lentos das minhas recordações, quando menino, e matar as saudades do então. . Porque a viagem é um pouco longa, e como dias não são dias - afinal ia de férias – mesmo contra vontade lá fiz das tripas coração e meti-me a disfrutar a nossa Via do Infante em parte do percurso, ou seja, só até ao desvio para a nacional.Como sabem, não sei se sabem, esta Via cobra portagem ( gatunos!) cujo pagamento só se efectua passados uns dias nos CTT. Quando vamos proceder ao referido pagamento verifica- mos até que ponto se rouba impunemente neste País.É que, para além da taxa,o que por tal sinal é das mais caras em Portugal, ainda temos de pagar uma suplementar , neste caso de 0.30 centimos, e ninguém explica o porquê. . Sou duma terra onde também há praias, bastantes, e consideradas das mais lindas de Portugal dada sua extraordinária envolvência luxuriante e múltiplas reentrâncias na costa como de baías naturais. Fui a uma delas “molhar os pés “e como era dia de marés vivas -como por lá dizemos quando o mar cresce até muito acima do habitual, sobretudo nas praias com pouco declive o que pode ser algo perigoso já que uma va- ga rodada, no regresso ao mar pode arrastar os mais distraídos.Entrei em considera- ções com o nadador-salvador acerca disso que muito honestamente concordou em absoluto comigo. Falámos um pouco sobre outros assuntos e fiquei a saber - PAS- MEM !- que aqueles valente e denodados rapazes, que muitas vezes arriscam a vida (não é o primeiro que lá fica ...) para salvar a de outros que por vezes nem lhes dizem obrigado, recebem de vencimento uma ninharia pelo seu trabalho.Soldo que nem dá muitas vezes para pagar uma refeição.É incrível e... vergonhoso. Mas o mais estra-nho é terem de ser os concessionários das praias a pagarem-lhes esses miseráveis vencimentos, isso apesar de serem onerados com farta contribuição para explora- rem um negócio pouco rendoso e sempre sujeito a desagradáveis imprevistos, como seja os maus tempos que por vezes, inesperadamente, lhes cai sobre a praia. É in- compreensível, bastante mesmo, que não seja o Estado a pagar os vencimentos a es- ses esforçados salvadores da vida alheia.Afinal trata-se de uma actividade em prol da Sociedade, de seres humanos. Noutros países, e com conhecimento de causa, fa- lo de Espanha, França, Itália,etç. Todos esses espaços públicos estão vigiados e apoia- dos por vigilantes pagos pelas autoridades públicas. . É como os Bombeiros, uma vergonha! Mas há dinheiro ,muito dinheiro para outras coisas que não do interesse público. Pulhice autêntica de quem explora... - Nessa minha “aldeia” – considerada no País a 4ª de maior área , população e poder económico, também por lá existe esse pesadelo que se chama ‘estacionamento pago Só que com uma certa diferença que acho de realçar : há muito mais civilidade e simpatia para com o utente prevaricador. Não sei se têm conhecimento que os fiscais são portadores de uma espécie de computador onde consta a matrícula de quem já infrigiu e se não pagou a multa. Num caso de infração sem cadastro o fiscal não multa de imediato, apenas deixa na viatura esta simpática missiva : “ Caro utente, face à entrada em vigor do novo Regulamento de Estacionamento controla- do deste Concelho, o seu veículo encontra-se indevidamente estacionado, em infra- ção do Código da Estrada, estando sujeito a ser bloqueado e/ ou removido. Colabore connosco para a melhoria da reorganização do trânsito e futuramente, antes de abandonar o seu veículo, assegure-se de que o mesmo fica regularmente estacionado. . Tal e qual como cá, não acham ?! P

segunda-feira, 8 de julho de 2013

 Desabafos
DESPERTAR DA INTELIGÊNCIA
O NOVO PAPA

Sempre ouvi dizer que a administração da justiça é o mais firme pilar de Deus. Também sempre ouvi dizer que, mais tarde ou mais cedo, a verdade - a verdade verdadeira - aparece a cobrar o que lhe devem. Os meus leitores já me “ouviram dizer”, por diversas vezes, que fujo sempre a sete pés de me me- ter em política porque isso de política é para os políticos, embora nunca tenha visto como agora tan- tos marmelos - politicalhos de meia tijela - a discutir política. Mas não resisto à tentação, de em inspiração lenta ( porque e pulmoeira já não é o que era... ) desabafar. ( Ao menos isso ninguém me pode proibir. Pese embora, algumas vezes, certas criaturas atirem com os pés p’ró ar com algumas verdades que lhe custam engolir porque lhes toca no pelo. Toda a vida tenho ouvido que as bestas só se sacodem quando as moscas lhes picam... dizia, desabafar sobre a minha preocupação com o que vai acontecendo de medonho por esta Europa fora ( para não falar de outras partes do mundo que é de arrepiar ) . Será que foi uma solução inteligente criar a “Europa Unida “ ? . É que o problema não existe apenas no nosso País, mas por todo o território do Euro. Dantes, de facto, não éramos livres (?), mas pelo menos, e apenas com uma sardinhita íamos vivendo na paz do Senhor sem nos preocupar-mos < com o dia de amanhã >. Isto está mesmo feio e a rapaziada já vaio torcendo a orelha e despertando inteligentemente, ou talvez baralhados e confusos, com o medo que se vai instalando nas suas consciências. Clamam, cla- mam, mas de nada serve. E não vale a pena procurar como solução atirar com o Governo de pantanas porque... milagres , só Nossa Senhora. Vejam a nossa História ( das mais belas do mundo ) e analisem aquele período que durante a pri- meira República e...parte da segunda : - Governo eleito, Governo abaixo, etç, etç, - até um dia... A braços com um grave problema, ( problema, como disse, a bater em todas as portas europeias ) este Governo vê-se em papos de aranha para solucionar o que, de facto, não tem mesmo solução. Os pobres cada vez mais pobres, já instalados na miséria. ( cuidado que quando o lobo não tem de comer para dar às crias baixa ao povoado e... ) Os ricos cada vez mais ricos e borrifando-se para a mi- séria que os rodeia mas para a qual eles nem sequer baixam o olhar. De quando em vez o CÈU envia-nos uns ligeiros borrifos de ténue esperança, e nós lá vamos cami- nhando sob o peso do jugo da miséria, sempre esperando dias melhores. Foi um desses “borrifos “ que arrefeceu um pouco o nosso desespero... S.S. o novo Papa de todos os católicos, com a sua simplicidade e despido dos ricos e faustosos paramentos que sempre carate- rizaram a mais milionária igreja da terra, desceu junto ao povo, tal como Deus já tinha feito, e não distinguiu entre gentio e grandes senhores, e a todos concedeu uma palavra de esperança e fé. –È verdade, o PAPA comunicou com o povo diretamente, dando-nos um pouco mais de esperança em acreditar que talvez ainda seja possível ! É nessa esperança que nos estamos a apoiar crendo que ainda não está tudo perdido. Sua Santidade falou - comunicou com o povo e... Não poderá isso servir de exemplo para os nossos governantes também “ descerem “ até junto ao povo , - esse mesmo povo que os elegeu - e que anda agora desorientado sem saber ao certo o que se está passando, e qual o seu futuro ? Basta apenas que tenham um ligeiro “ despertar de inteligência “ . José Clarel