domingo, 30 de junho de 2013

 PORTUGAL, A FOME E AS CONTRADIÇÕES


      Não sou retrógado, também não sou contra o progresso, mas é de admitir que certas coisas neste pseudo progresso só vieram complicar e tornar mais infeli a vida da Sociedade em geral.
   Criaram-se  estruturas que dizem visar o bem estar da humanidade mas  nós vamos verificando aqui e  ali  contradições  que, ao invés, só servem para  nos complcar a vida. Vejamos :
  Invariàvelmente todos os dias se lê na imprensa e se ouve nas  rádios e televisão relatos impressionantes sobre a fome que grassa no nosso País ( como por todo o Mundo afinal ) e que os bancos aimentares apelam desesperadamente  para que  se crie um fundo de apoio para acudir à aflição em que se encontram mi-lhares de famílias,  não tendo possibilades de atender a tantos, cada vez mais, pedidos de auxilio.A fome campeia já entre aqueles que há bem pouco termpo tinham uma vida razoávelmente estável
  Estima-se que há, só em Portugal, 380 mil pessoas sem comer e mais de 50 mil refeições desperdiçadas(?), parece impossivel mas temos provas evidentes de que isso é um triste facto.Nalguns hotéis, restauran-
tes e até nos  hospitais, a comida que sobra é para lançar  no lixo sem que se possa retitar mesmo um naco de pão para dar aos cães. Podemos testemunhar com conhecimento de causa pois em recente internamento
numa unidade hospitalar, foi-nos dado observar que até o pão (pequenos pães higiénicamente embalados em sacos herméticos ) quando não comido pelos doentes ia directamente para o "tal balde que, noutros tempos quando éramos pobres" servia para alimentar suínos e agora é para o lixo.
   Tinha acabado acabado de escrever esta crónica quando nos chegou ao conhecimento de que se constituira em Portugal um movimento dedicado precisamente para lutar conra essa injustiça : Movimento Zero Desperdício, essa  a sua designação e que apela à comunidade que dê os bens alimentares confeccionados ou não, antes que acabem no lixo, tenco como slogan  "Portugal não se pode dar ao lixo ".
   Hurra, por quem teve tal ideia !
  Quizemos então  saber já que o assunto desde há muito nos vemn preocupando.Descobrimos o seu site na Internet e fomos ao seu encontro saltando-nos logo o alerta supra-citado  ao qual se segue o seguinte discurso a completar  " Zero  desperdício.Portugal não se pode dar ao lixo " - portugueses passam fome enquanto isso estima-se que todos os dias 50 mil refeições são desperdiçadas de norte a sul do País. O Movimento Zero Desperdício,. está a aproveitar os bens alimentares que antes acabavam no lixo - comida que nunca saíu da cozinha, comida cujo prazo de validade se aproxima do fim, ou comida que não foi exposta nem esteve em contacto com o público  -  fazendo-os chegar a pessoas que dela necessitam. Ao entrar num estabelecimento com o selo ZERO DESPERDÍCIO tem a certeza que todas essas refeições são  aproveitadas e encaminhadas para a mesa de alguém.
Uma iniciativa em que o estabelecimentos e os seus clientes participam sem gastarem um cêntimo.
  Ora aí está ! Algo que deveria tocar no mais fundo de todos os corações. Por isso se compreende porquê já tanta gente de elevado estatuto social no nosso País (começando pelo Senhor Presidente da Repúbila ) tenham aderido a esta humanitária ideia.
   Na realidade o darmos um pouco de nós àqueles que mais necessitam, irá refletir-se, mais tarde ou
mais cedo, em favor próprio. E afinal pede-se tão pouco...
  Aqui fica o nosso apelo: Adiram. Para isso basta apenas contactar a Organização através o Site -
  " info@dariacordar.org "

José Clarel

Sem comentários:

Enviar um comentário